Você está em: Clikaki »   Educação » Português » Literatura barroca brasileira

Literatura barroca brasileira

Barroco

Gregório de Matos Guerra e Padre Antônio Viera. Eles se tornam os representantes do Barroco no Brasil, por assim dizer.

Através da literatura jesuísta e de catequese, os padres ensinavam os índios costumes cristãos.

Através da literatura jesuísta e de catequese, os padres ensinavam os índios costumes cristãos.

Estamos no período colonial, século XII, as primeiras literaturas no Brasil já foram escritas durante o Quinhentismo, mas ainda não são de fatos o inicio da literatura brasileira.

É época do ciclo da cana de açúcar, onde o principal foco econômico do país está na Bahia. Com o fraquecimento do Renascentismo, e a vinda do estilo Barroco para o Brasil, dois nomes importantes nomes surgem no meio cultural: Gregório de Matos Guerra e Padre Antônio Viera. Eles se tornam os representantes do Barroco no Brasil, por assim dizer.

Gregório de Matos Guerra

Gregorio de Matos Guerra

Gregorio de Matos Guerra

Gregório de Matos Guerra, conhecido como o “boca de inferno” é um nome fundamental da poesia do Barroco. Ele possui três linhas de estilos poéticos: poesia religiosa, poesia amorosa e a poesia satírica.

Na poesia religiosa, encontra-se um homem que pede perdão a Deus pelos seus pecados: “Pequei, Senhor, mas não porque hei pecado, de vossa alta clemência me despido; porque quanto mais tenho delinqüido, vos tenho a perdoar mais empenhado”.

Na poesia amorosa, encontramos algo mais doce, delicado de iludir a mulher amada, com certa dose de algo picante, e algum erostimo. O amor para o barroco é algo tenso que o leva ao desejo e ao pecado. A mulher tem sempre a delicadeza de uma flor e a magia de um anjo.

Gregório fazia uma poesia de sátira, generalizada. A poesia dele era voltada para as pessoas poderosas da época, para os padres, para as feiras, os homens bons da grana, os mulatos e até o povo, sem papas na língua, e às vezes até com palavras de baixo calão. O que lhe rendeu o apelido de boca de inferno. Mas, essa poesia era sempre uma critica sobre a vida colonial aqui no Brasil.

Padre Antônio Vieira

Padre Antonio Vieira

Padre Antonio Vieira

O Padre Antônio Vieira, por sua vez, escreve sermões. E, para escrever os sermões, nada melhor do que usar uma linguagem culta, sofisticada, elaborada, cheia de figuras de linguagens e paradoxos, caracterizando o texto em prosa do Barroco brasileiro, principalmente para o conceptismo.

Quando se escreve um sermão para alguém, você tenta convencer de que aquela pessoa está pecando ou errando e quer que ela regresse do seu erro. Isso acaba tornando o texto completamente argumentativo. Os sermões do Padre Vieira eram assim e faziam até mesmo criticas ao cultismo, a esse jogo de palavras que ele considera vazio e desnecessário.

Vários autores defendem que aí está o começo da literatura brasileira, de fato. Assim, quando falamos de literatura barroca no Brasil, falamos de Gregório de Matos Guerra e Padre Antonio Vieira.

Compartilhe este artigo:

publicidade

Deixe o seu comentário

Siga-nos

Participe

Cadastre-se

Cadastre seu email para receber as últimas novidades

Ofertas